Limpeza, classificação, embalagem e come

Fonte: Texto: SOUZA Imagem: Sebrae

Para a comercialização de hortaliças orgânicas, deve – se ter o entendimento de todo o processo, desde a colheita, o armazenamento, o transporte e distribuição, uma vez que qualquer tratamento ou prática, na pós-colheita, deve assegurar o máximo da qualidade biológica e nutritiva dos produtos orgânico.


Adubações orgânicas, com suplementos minerais e nutrientes específicos, como cálcio, estimulam as plantas a produzirem fitoalexinas, que têm  efeitos fungistáticos e bactericidas, reduzindo perdas no armazenamento. Hortaliças folhosas podem concentrar nitratos em ambientes de pouca luz, mesmo sem terem sido adubadas com excesso de nitrogênio.



Assim, as Normas Técnicas, orientam para algumas questões importantes nesse processo, destacando – se abaixo as que aplicam diretamente às hortaliças:


 


v Os produtos orgânicos devem ser identificados e mantidos em local  separado dos demais de origem desconhecida, de modo a evitar possíveis contaminações, exceto quando claramente identificados, embalados e fisicamente separados.


v  Todos os produtos orgânicos devem estar devidamente acondicionados e identificados durante todo o processo de armazenagem e transporte.


v  A certificadora deverá regular as formas e os padrões permitidos para a descontaminação, limpeza e desinfecção de todas as máquinas e equipamentos, onde os produtos orgânicos são mantidos, manuseados e processados.


v  As condições ideais do local de seleção, classificação, lavagem, armazenagem e do transporte de produtos são fatores necessários para a certificação de sua qualidade orgânica. ( SOUZA, 2009)


Além dessas orientações da normativa, torna – se necessário estar atentos às seguintes medidas adicionais:


v  Colheita no ponto exato de maturação e sob condições climáticas favoráveis.


v  Secagem dos alimentos em níveis adequados de umidade usando – se métodos naturais ou artificiais permitidos.


v  Secagem no campo, em secadores solares ou em outros aparelhos que empreguem meios de água fria, câmaras frias ou geladeiras, no armazenamento, transporte e distribuição.


v  Controle da atmosfera (CO2 e N2).


v  Redução de organismos que causam podridões, por tratamentos térmicos, com imersão em água quente ou com vapor d’água.


v  Uso de substancias não tóxico, como pó de rochas, terra diatômica, extratos de plantas, plantas aromáticas etc., para evitar pragas nos produtos comercializados.


v  Limpeza e higiene absolutas no setor de pós – colheita, nos depósitos e armazéns, nos veículos de transporte e nos locais de comercialização.


v  Tratamento térmico em sementes, via seca ou úmidas (com posterior secagem).


v  Métodos não químicos de amadurecimento, para alimentos colhidos verdes.